Notícia

2ª. Audiência Pública da Avenida Soares Lopes reúne ambientalistas

Texto: Câmara de Vereadores de Ilhéus, publicado dia 03 de setembro de 2021.

Representantes de instituições ambientais participaram hoje (03), na Câmara de Vereadores de Ilhéus, da 2ª. Audiência Pública da Comissão Especial de Estudos da Urbanização da Avenida Soares Lopes. O encontro – encerrado no início da noite – atende a um cronograma de audiências públicas setoriais organizadas pelo Poder Legislativo, cujo objetivo principal é promover uma escuta pública para saber da população e das representações sociais qual o melhor destino a ser dado a uma das áreas mais valorizadas da cidade.

Para os participantes, a avenida deve ser pensada como um grande complexo de turismo e de lazer, mas tendo uma forte consciência da necessidade de preservação ambiental. “É, sem dúvida, um espaço propício ao estímulo de novos esportes olímpicos, como pistas de skate, quadras de tênis”, opinou o representante do Sindicato Rural de Ilhéus, Isidoro Gesteira. “Mas é preciso melhorar coisas impactantes que já existem, a exemplo da falta de limpeza e do cuidado com a restinga”, completou Wellington Laudano, médico veterinário do projeto (a) mar.

Laudano explica que a praia da avenida Soares Lopes é um dos principais locais de desova de tartarugas marinhas em Ilhéus. A previsão é de que no auge da desova da espécie, de outubro deste ano a abril de 2022, serão identificados de 40 a 42 ninhos em um raio de apenas três quilômetros deste trecho do litoral, onde o Projeto (a) Mar espera proteger cerca de 5 mil filhotes. 

Situação difícil

O abandono e o descaso da área vêm de muito tempo, destaca o professor de surf e membro do Grupo Amigos da Praia (GAP), Gabriel Macedo. Mas os problemas da avenida – na opinião dele – só passaram a ter mais visibilidade a partir da construção da nova ponte e, agora, que o debate está aberto, é preciso que a vontade do povo prevaleça. “Hoje temos que fazer trilhas para chegar à praia. Há mato e lixo. Nos falta acessibilidade”, afirmou.

Para além das condições de manutenção da avenida Soares Lopes, a ativista social Socorro Mendonça alerta para o que ela considera o loteamento da área. Para Socorro, este trabalho desenvolvido pela Câmara não deve apenas resultar em um relatório. Mas, sobretudo, em um projeto conceitual que possa ser avistado e entendido pela população. O professor Reinaldo Soares, membro do recém-criado Instituto Baía do Pontal, concorda. “Ainda prevalecem as concessões dos amigos do rei. Sou favorável ao setor produtivo. Mas precisam ocorrer dentro dos aspectos legais. Se a gente consegue trabalhar na perspectiva do planejamento, vamos envolver a todos os segmentos que a cidade tem relação direta. E isso é maravilhoso”, destacou.

O oceanógrafo Rian Pereira da Silva, presidente do Instituto Marola, entende que o município não pode dar as costas para o litoral que tem. “Estamos perdendo restingas por falta de uma fiscalização eficiente”, denuncia, citando que esta, por sinal, é a dura realidade da praia da avenida. A complexidade ambiental da Soares Lopes chama a atenção. “A avenida é mais que uma praia. Alí é a foz do rio Cachoeira. É pensar a avenida no contexto da duplicação da BR 415, trazendo benefícios para o rio”, afirma a professora Valerie Nicollier, da Universidade Federal do Sul da Bahia.

https://youtu.be/Q1UuiitgwbM

Missão da sustentabilidade

Recém-empossado no cargo de secretário municipal do Meio Ambiente, José Victor Pessoa assegurou que, ao ouvir sua equipe técnica momentos antes da reunião, ouviu dela a importância pela continuidade da execução do projeto paisagístico de Roberto Burle Marx, iniciado nos anos 80 mas sem conclusão até hoje. “O projeto é a cara da avenida, é a cara de Ilhéus”, destacou Pessoa, acrescentando que ao assumir o cargo recebeu a ordem do prefeito Mário Alexandre de coordenar um projeto de desenvolvimento econômico e social, preservando o meio ambiente. “E essa é a ordem que vamos cumprir”, assegurou.

Dirigente da Universidade Livre do Mar e da Mata (Maramata), Diego Messias destacou a coragem da Câmara em debater o tema ao promover uma discussão aberta com a sociedade. Ele defendeu a realização de um inventário da área e, paralelamente, o desenvolvimento de um projeto urbanístico de ocupação organizada que envolva turismo, esporte e meio ambiente.

Três vereadores participaram da Audiência. Além do presidente da comissão, Vinícius Alcântara (PV) e do relator Ivo Evangelista (Republicanos), teve também a presença da vereadora Enilda Mendonça (PT). A parlamentar destacou que é preciso esclarecer o papel desta comissão criada pelo presidente da Casa, vereador Jerbson Moraes (PSD). “A comissão foi criada para ouvir. O papel dela não é gerar projeto. O papel do legislativo é abrir esta porta para ouvir e trabalhar conjuntamente para que o resultado deste debate possa dar sustentação a um projeto que beneficie o coletivo”, afirmou. Enilda lembrou ainda que a proposta surgiu a partir de uma preocupação ao perceber a existência de um loteamento desordenado na avenida. “Não vamos discutir pedacinho por pedacinho da avenida. Mas ela toda, inteira”, afirmou.

Ouvir os mais diversos segmentos da sociedade e saber qual o sentimento que a população tem da avenida Soares Lopes, também foi destacado por Ivo Evangelista. O presidente Vinícius Alcântara informou que os detalhes importantes coletados hoje serão observados no relatório final que a comissão vai elaborar para compor toda essa conexão de assuntos e temáticas sobre a orla. “O meio ambiente precisa ser uma pauta prioritária do município”, opinou, elogiando, também, o poder de uma audiência pública. “A gente está aqui para escutar aquilo que a gente quer e aquilo até que a gente não quer ouvir. Mas isso é democrático e a gente tem que estar preparado para tudo isso”, elogiou. 

Audiências Setoriais

As próximas audiências públicas setoriais terão a participação de representações dos segmentos do turismo, esporte e lazer, cultura, habitação, comércio e serviços, educação, institucional ordenamento legal e mobilidade e segurança, com cada tema em uma data, sempre às sextas-feiras. Paralelamente a este trabalho, a Comissão disponibilizou um questionário para saber a opinião dos moradores a respeito do futuro da avenida.

O formulário físico pode ser preenchido na portaria do Palácio Teodolindo Ferreira, sede da Câmara. Uma urna está à disposição do público. Já o formulário online está disponibilizado no link https://forms.gle/8PYmL9NZQptuDA2aA. De acordo com a comissão, quase 1.500 formulários online já foram preenchidos, o que demonstra o interesse de toda a cidade com relação a este tema.

Deixe um comentário