Notícia

Festa da Puxada do Mastro de São Sebastião marca o calendário turístico e a permanência Tupinambá no território

 

Por: Erlon Costa – Historiador, Mestre em Desenvolvimento Sustentável Junto a Povos e Terras Indígenas – UnB, Especialista em Psicologia Social , Coordenador Nacional da Ação Educativa do Projeto Séculos Indígenas do Brasil.

 

 

Das mais diversas fontes históricas, as festas são, sem dúvidas, atrativos ideais para a demarcação da memória, cultura e tradição de um povo. No sul da Bahia, mais especificamente na Estância Hidromineral de Olivença, o povo indígena Tupinambá, realiza há mais de quatro séculos uma festa capaz de atrair milhares de turistas, nativos e devotos, num singular ritual de Puxada de Mastro.

A Festa da Puxada do Mastro de São Sebastião em Olivença, é um dos principais signos explícitos da permanecia Tupinambá no seu território originário. Dividida em quatro etapas a festa inicia com o ritual da escolha da árvore, para que no segundo domingo de janeiro seja transformada em mastro, semelhante as toras de madeira , utilizadas nas corridas realizadas pelos indígenas que povoavam a costa litorânea , antes mesmo do processo de colonização imposto pelos jesuítas da Companhia de Jesus.

No dia da Puxada do Mastro, a língua indígena originária é valorizada a partir de um canto único em tupi antigo que ecoa durante toda a festa; Ajuê Dão Ajuê Dão Dão, que ao som da zabumba motiva os participantes a puxarem dois troncos pelas matas, praias e ruas de Olivença.

Na Frente do cortejo destaca-se o Sino do Badalo e o Mastaréu, o ultimo um mastro destinado a crianças que aprendem com seus pais a tradição dos seus ancestrais, por fim o mastro que será oferecido a São Sebastião, arrastado por milhares de pessoas que fazem dos pedaços de corda, casca e tronco expressões de fé e comungam com a resistência Tupinambá na permanecia em seu território reivindicado.

As outras duas etapas da festa são de caráter mais restrito a comunidade, o hasteamento do mastro novo e a queima do mastro antigo junto com o Mastaréu. Uma série de fatores fazem da Puxada do Mastro de São Sebastião em Olivença um atrativo turístico tão peculiar. Os folguedos como : O Terno das Camponesas, O Bando dos Mascarados e o Boi Estrela, tornam a festa ainda mais atraente e encantadora, pois quem visita a estância nos dias que antecedem a festa se depara com um conjunto de apresentações culturais anunciando a todos que é tempo de celebrar a tradição em Olivença.

Ao longo dos anos o contato com a sociedade envolvente, fez com que os Tupinambá inserissem diversos novos elementos na festa , o pensamento sustentável fez com que ritos como plantio de novas árvores nativas passassem a fazer parte dos festejos, assim como a necessidade de constituição de uma Associação de Machadeiros de Olivença , responsável pelo direcionamento de infra estrutura e organização da festividade devido as grandes dimensões que hoje a festa comporta.

 

 


 

Leave a Reply