Notícia

Instituto Nossa Ilhéus apresentou o projeto A Ilhéus Que Queremos no Encontro Nacional dos Procuradores da República

O Instituto Nossa Ilhéus foi convidado pela Associação Nacional dos Procuradores da República para proferir palestra sobre o Projeto “A Ilhéus Que Queremos” durante o Encontro Nacional dos Procuradores da República (ENPR), no dia 30 de outubro de 2013.

Este foi o 30o ENPR, que celebrou os 40 anos da Associação, e contou com a presença da sociedade civil organizada proferindo palestras sobre democracia participativa, cultura indígena e racismo ambiental.

O Instituto Nossa Ilhéus apresentou o projeto “A Ilhéus que Queremos – A Cidade é movida pela Cultura” – que aliou o lançamento do Sistema de Indicadores de Ilhéus com um circuito de debates sobre “A Ilhéus que herdamos, a Ilhéus que temos e a Ilhéus que queremos”. Diversos foram os resultados resultantes deste circuito de debates, como a aprovação do Plano de Cultura pela Câmara de Vereadores de Ilhéus, a maior discussão sobre mobilidade urbana no município, compromisso dos candidatos ao Executivo Municipal com a Política Nacional de Resíduos Sólidos e com a Mata Atlântica, eventos de Economia Criativa, apoio ao Grupo de Trabalho da Juventude e a realização do Seminário Municípios Sustentáveis.

Ainda, está sendo elaborado o projeto de transformação do projeto em uma publicação que será distribuída para órgãos e escolas públicas.

Esta gestão da Diretoria da ANPR tem focado em estreitar relações de conhecimento com a sociedade civil organizada, pois a aproximação dos Procuradores da República com  estas instituições é necessária para que todos consigam exercer suas responsabilidades em prol da cidadania e dos direitos humanos.

O Instituto Nossa Ilhéus participou da confecção de uma carta das instituições da sociedade civil presentes no evento para os Procuradores da República, parabenizando pela iniciativa e propondo ações de democratização da justiça, mudanças nos currículos dos cursos de direito voltadas a desenvolver operadores da justiça mais sensíveis às causas sociais e de cidadania e incentivando a maior aproximação do Ministério Público com a sociedade civil.

Leave a Reply