Agência de Comunicação para Economia Criativa

Este projeto visa fortalecer a indústria economia criativa na região, compreendendo que quando “adequadamente nutrido, a criatividade alimenta a cultura, infunde um desenvolvimento centrado no ser humano e constitui o ingrediente principal para a criação de emprego, inovação e comércio, contribuindo para a inclusão social, cultural, diversidade e sustentabilidade ambiental” (UNCTAD, 2010).

Estruturado para dois anos, baseia-se em atividades anteriormente realizadas, especialmente sobre o relatório produzido por Lala Deheinzelin e Mirian Rocha expondo as medidas necessárias para a consolidação dessa política pública na região, e é projetado para melhorar a quatro aspectos diferentes:

  1. Criação de um banco de dados e um mapa de empresários e partes de cadeia de valor da economia criativa na região, por meio de entrevista e pesquisa,
  2. Reunir empreendedores da economia criativa e colocá-los em contato com os atores relevantes do governo;
  3. Promover a nível nacional e internacional os empreendimentos da economia criativa da região (turismo, artesanato, gastronomia, produção artesanal de chocolate, silvicultura, património natural e cultural, livros e espetáculos de dança e teatro), com o uso de Tecnologia da Informação e Comunicação, e
  4. Promover um ambiente em que a economia criativa é reconhecida como uma chave fator para melhorar a realidade social da região, incluindo a ser uma política pública institucionalizada. O projeto será executado pelo Instituto Nossa Ilhéus.

 

Objetivos a Curto Prazo:

 

1. Atores diretos da Economia Criativa mapeados e entrevistados, mapeando a cadeia de valor das indústrias criativas na região, formando um banco de dados de informações do campo;

a) Mapear os atores diretamente envolvidos;
b) Entrevistar os atores;
c) Formar o mapa da cadeia de valor;
d) Promover o mapa e banco de dados entre os atores representativos.

2. Promover a nível local, nacional e internacionalmente, os serviços, produtos e negócios de economia criativa da região;

a) Desenvolvimento de um portal on-line;
b) Lançamento de artigos escritos sobre economia criativa;
c) Gravar vídeos para Web TV sobre empreendimentos da economia criativa;
d) apresentar um programa de rádio sobre economia criativa (de acordo com a Pesquisa Debate Digital, da KPMG International, o Brasil é um dos países onde as pessoas gastam menos tempo assistindo TV e ouvindo mais rádio).

3. Coloque os atores envolvidos com a economia criativa em contato uns com os outros e com os atores governamentais relevantes por meio de reuniões e fóruns;

a) Realizar uma reunião de médio prazo com os atores da economia criativa e outras instituições (agências de fomento e do governo);
b) Organizar um Fórum de Economia criativa no final do projeto (mostruário dos empreendimentos, o plano para o próximo ano e congregação dos mesmos).

4. Promover o debate sobre a Economia Criativa entre a comunidade e os atores governamentais para promover a institucionalização de uma política pública local.

a) Para promover uma audiência pública na Câmara Municipal, com a presença de Conselheiros Municipais e Secretarias;
b) Articular através de várias reuniões o projeto de institucionalização da política pública.

 

Longo Prazo:

 

1. Melhorar a percepção dos cidadãos locais sobre economia criativa na região, tornando-os também consumidores / apreciadores destes empreendimentos.

a) Resultante da promoção por meio de portal on-line, programas de rádio e fórum.

2. Aumentar e reconhecer o impacto financeiro da economia criativa na região

a) Resultante do mapeamento da cadeia de valor e pesquisa sobre os lucros da economia criativa.

3. Institucionalizar a política de Economia Criativa na região (através da criação de Conselho de Governo, do Fundo Municipal e Conferências)

a) Resultante da articulação feita com representantes do governo.

4. Aumentar o fluxo de nacionais e internacionais estimulando a economia criativa na região (através de promoções para o consumidor e marketing)

a) Resultante da promoção nacional e internacional feito através de portal on-line, artigos e TV web.

5. Surgimento de novos atores na economia criativa, através do reforço da cadeia atual

a) Resultante do reconhecimento da Economia Criativa como um fator chave de crescimento para a região, através de atividades de promoção, Audiência Pública e do Fórum.

 

Entregas do Projeto:

1. Principais atores e da cadeia de valor de Economia Criativa da região mapeada – Banco de Dados.

2. Reunir os atores da Economia Criativa na região – 1 reunião de meio termo de projeto, com atores já mapeados. 1 fórum de economia criativa com a presença de 150 empreendedores.

3. Promover os serviços e produtos da Economia Criativa localmente, nacionalmente e internacionalmente

a. Estruturar um portal on-line com informações da Economia Criativa na região (em Português e Inglês);
b. Publicar, a cada duas semanas, um artigo sobre um empreendimento de Economia Criativa (em Português e Inglês);
c. Para publicar, a cada duas semanas, uma programa de TV web, de 5 minutos, sobre um empreendimento de Economia Criativa;
d. Manter um programa diário de rádio local sobre a Economia Criativa;
e. Publicar um livro com os melhores artigos sobre os empreendimentos de Economia Criativa (escolhidos através de um concurso on-line).

4.Aumentar o conhecimento e o envolvimento do governo local na cadeia de Economia Criativa, promovendo a institucionalização da economia criativa como uma política pública.

a. Realizar uma audiência pública sobre Economia Criativa;
b. Pelo menos 10 representantes governamentais presentes na Audiência Pública;
c. Pelo menos seis reuniões com representantes governamentais;
d. Pelo menos cinco representantes governamentais na reunião de médio prazo;
e. Pelo menos 20 representantes governamentais no Fórum de Economia Criativa.