Notícia

Carta aberta ao futuro Presidente do Brasil

 

O Instituto Nossa Ilhéus é uma iniciativa da sociedade civil organizada, apartidária, que tem por objetivo fortalecer a cidadania, a democracia participativa e o empreendedorismo, tendo por base a sustentabilidade e o monitoramento social. Por estes motivos, compartilhamos das ideias da carta abaixo em prol do desenvolvimento sustentável do nossa país.

 

Carta aberta ao futuro Presidente do Brasil  – Acesse a carta aqui

Pelo progresso social e econômico do Brasil através do desenvolvimento sustentável.   

Prezado Sr. Candidato,  

O desenvolvimento do Brasil, a geração de riqueza, emprego e renda, assim como a melhoria da qualidade de vida, saúde e segurança dos cidadãos, está em nossas mãos e depende apenas das nossas iniciativas e dos nossos próprios recursos. Tudo isso é possível se priorizarmos um modelo de desenvolvimento socioeconômico que contemple a conservação do capital natural brasileiro, que é reconhecido como o mais rico e o mais diverso do mundo.

As maiores economias do planeta caminham a passos largos para um novo modelo de economia circular e de baixo carbono, gerando renda, inclusão social e prosperidade. O Brasil pode perfeitamente aproveitar esta oportunidade, seguir este caminho e se tornar referência mundial. Planejar o desenvolvimento do país tendo a sustentabilidade e a conservação como bússola certamente atrairá parceiros, investimentos e recursos que podem alavancar novos negócios com inclusão social em diversos setores da economia tais como infraestrutura, energia, pesca, agricultura, pecuária, extrativismo, biotecnologia, ecoturismo, aproveitamentos inovadores da biodiversidade, produção de bens de consumo, entre tantos outros que podem ser beneficiados por esta estratégia.  

O Brasil é um país com uma natureza singular. Somos o mais rico em biodiversidade do mundo. Só para citar alguns exemplos, em nosso país podem ser encontrados quase um quarto de todos os peixes de água doce do mundo, além de 16% das aves e 12% dos mamíferos. Cerca de 20% de todas as formas de animais e plantas conhecidas podem são registradas no Brasil. O Brasil possui mais de 55% de cobertura vegetal nativa e 15% da água doce do planeta. O potencial para o descobrimento de novos compostos e moléculas oriundas da nossa fantástica biodiversidade está ainda por ser entendido e devidamente explorado, e por tudo isso somos imensamente privilegiados quando comparados a outros países do mundo.  

A pluralidade e a nossa riqueza são também humanas. Somos um povo de origem multicultural e multiétnica. Cerca de 4,5 milhões de pessoas fazem parte de comunidades tradicionais atualmente no Brasil, ocupando um quarto do território nacional e representados, entre outros, por povos indígenas, quilombolas, seringueiros, vazanteiros, quebradeiras de coco-babaçu e outros grupos. Estes brasileiros são verdadeiros guardiões das nossas florestas, rios e mares, além da nossa inigualável biodiversidade.  

A conservação em nada conflita com desenvolvimento e produção. Pelo contrário, quem vive e produz da terra sabe que sua atividade e produtividade dependem da natureza que lhes provém água, clima, solo fértil, polinizadores, controle natural contra pragas e atenuação dos extremos climáticos. Os serviços ambientais devem ser reconhecidos, e criar condições para a proteção e uso sustentável da nossa biodiversidade são essenciais para construção de um futuro próspero não apenas para o Brasil, mas para todo o planeta.   

Podemos ser líderes mundiais no desenvolvimento econômico através da conservação. Temos inúmeras oportunidades no campo, seja na geração de energias renováveis (solar, eólica, biomassa, dos oceanos, das correntes fluviais, entre outras), alimentos (agroflorestas, orgânicos, agroextrativismo), infraestrutura verde (saneamento básico, abastecimento de água, redução do risco de desastres naturais como deslizamentos, enxurradas e inundações), ecoturismo e mobilidade (transporte coletivo e de carga elétricos e movidos a biocombustíveis). Tais iniciativas serão, já nesta década, aquelas com maior potencial de gerar novos empregos e melhorias das condições sociais e de renda da população brasileira.  

Apenas para citar alguns exemplos, no que diz respeito às Unidades de Conservação, que atualmente representam 20% do território nacional continental e 24% do território marinho, temos um potencial econômico não aproveitado de 167 milhões de reais anuais com a pesca, de 6,5 bilhões de reais com atividades de ecoturismo, com a geração de 133 mil novos postos de trabalho, além da exploração sustentável de madeira na Amazônia, que poderia gerar imediatamente para o país mais de 650 milhões de reais por ano e milhares de empregos na região. O valor do benefício hídrico gerado pelas unidades de conservação equivale a 59,8 bilhões de reais, divididos entre proteção de rios para geração hidrelétrica (26,3 bilhões de reais anuais), usos consuntivos (28,4 bilhões de reais anuais) e erosão evitada (7,8 bilhões de reais anuais).  

O que estamos esperando? Precisamos estar atentos, pois a contínua destruição dos ambientes naturais é responsável pela taxa acelerada de extinção de espécies e contribui de maneira drástica para as mudanças climáticas que tanto afetam e afetarão ainda mais nosso planeta, nossa qualidade de vida e as nossas condições de desenvolvimento.  

Por isso, precisamos agir. A ciência nos mostra que a natureza será responsável por pelo menos 30% das soluções que precisamos começar a implementar até 2020 para evitar o aquecimento global e todas as suas consequências desastrosas para o planeta e para a humanidade, tais como desertificação, recrudescimento de epidemias, queda na produção de alimentos, fome e migrações em massa.  

Não é apenas o futuro dos brasileiros que está nas suas mãos, mas de bilhões de pessoas em todo o planeta. O Brasil, como detentor da maior extensão de florestas tropicais do mundo, dos últimos grandes remanescentes de manguezais e das maiores reservas de água doce do planeta, será essencial para fecharmos essa conta. Por isso, nosso país é signatário e líder internacionalmente reconhecido das Convenções do Clima e da Biodiversidade, que foram assinadas aqui mesmo, no Brasil, em 1992, bem como do Acordo de Paris e das Metas para o Desenvolvimento Sustentável: nós já mostramos ao mundo que não iremos faltar com o planeta e reconhecemos nosso papel na história. Nossas florestas já vêm retirando uma enorme quantidade de gás carbônico da atmosfera, contribuindo como solução natural ao aquecimento global. Nossas propostas de mitigar o risco das mudanças climáticas estão entre as mais avançadas do mundo, inclusive com restauração de áreas degradadas que não somente irão mitigar as mudanças climáticas como igualmente contribuir com a agricultura em todo o país.  

Nosso Brasil, com suas florestas, rios e biodiversidade, é apenas um pequeno ponto situado no meio do nosso planeta, nem à esquerda, nem à direita. Simplesmente ali. O compromisso com esse patrimônio é um compromisso com a vida, no presente e no futuro.  

Sr. Candidato, neste momento importante da nossa democracia, em que precisamos concentrar nossos esforços na construção de um país melhor, o grupo de cientistas, especialistas, empresários, ambientalistas e personalidades que assinam essa carta, fazem um apelo: vamos unir o Brasil em torno de um projeto de desenvolvimento econômico e social que inclua a natureza e a diversidade como forma de construirmos um país mais sustentável para todos.  

Gostaríamos de ouvi-lo.  

Adriana Ramos – ambientalista

Alok – DJ

Alberto da Costa e Silva – diplomata e escritor

Ana Sarkovas – empreendedor de impacto

Antonio Cicero – poeta e escritor

Beto Verissimo – empreendedor social

Carlos Nobre – cientista

Christiane Torloni – atriz

Daniel Carvalho de Souza – produtor cultural

Fe Cortez – empreendedora social

Simão Filippe – empreendedor social

Fernando Meirelles – cineasta

Gisele Bündchen – modelo e ambientalista

João Bernardo Casali – empreendedor de impacto

Karina Miotto – ambientalista e escritora

Leonel Kaz – editor e curador

Luana Lobo – empresária

Luis Fabio Silveira – cientista

Maitê Proença – atriz

Marcel Fukayama – empreendedor de impacto

Marcia Hirota – ambientalista

Marcos Nisti – empresário

Marcos Palmeira – ator

Maria Paula Fernandes – ambientalista e jornalista

Maria Zilda – atriz

Mateus Solano – ator

Nathalia Dill – atriz

Paula Baun – atriz

Pedro Luiz Passos – empresário 

Renato Machado – empresário

Ricardo Glass – empreendedor de impacto

Ricardo Gravina – empreendedor de impacto

Rodrigo Sabatini – empreendedor social

Roberto Medina – empresário

Roberto Klabin – empresário

Rodrigo Medeiros – cientista, ambientalista e empreendedor social

Ronaldo Stabile – empreendedor de impacto

Sergio Besserman – economista e ambientalista

Sergio Marone – ator

Sergio Serapiao – empreendedor de impacto

Stevens Rehen – cientista

Tomas de Lara – empreendedor de impacto

Victor Fasano – ator

Wagner Andrade – empreendedor de impacto

Waltinho Cavalcante – empresário

Leave a Reply